sábado, 5 de fevereiro de 2011

A Pena e o Tinteiro de Marquesa de Alorna


Marquesa de Alorna
(1750-1839)


A Pena e o Tinteiro


Uma pena, presumida
De escrever grandes sentenças,
Falava das suas obras
Tão sublimes como extensas.



- "Sem mim, - disse ela ao tinteiro -
Pouca figura farias:
Cheio de um licor imundo,
Sem mim, triste, que serias?"



O tinteiro inspirado
Vazou logo a tinta fora,
E voltou-se para a pena,
Dizendo-lhe: - "Escreve agora!"



Assim responde aos ingratos
Muitas vezes a razão:
Muita gente há como a pena,
Como o tinteiro outros são.

Marquesa de Alorna


2 comentários:

  1. Muito lindo este poema.Gostaria de saber se você sabe um poema assim:"Estamos num templo:A Escola,A palavra é a oração, A mestra seu sacerdote, O livro seu arcorão... no final é assim, esta trindade adoremos, A mestra , O livro e a pena." Se você encontrar me envia por favor.Meu email:ednachelonifelga@hotmail.com

    ResponderEliminar